Artigo do Leitor Mais ! Sem categoria 

Artigo do leitor: Zvezda La-5 1/48

O leitor Tarcísio Moura enviou esta montagem para publicação aqui no Blog espero que gostem.

Parabéns e obrigado pelo artigo Tarcísio!

*********************************

Escala: 1/48

Material: plástico injetado, transparências, decalques para duas versões.

Histórico: menos conhecido do que as versões mais avançadas La-5FN  e La-7, o La-5 de primeira geração teve uma importância técnica e  histórica muito maior do que se sabia no ocidente  até pouco tempo. Versão quase idêntica do fracassado LaGG-3 de motor  refrigerado a líquido, o La-5 foi uma rápida adaptação do mesmo avião com um novo motor  radial Shvetsov ASh-82. Como o  LaGG-3 em geral era considerado um bom avião com uma estrutura pesada demais para a potência do motor anterior, ele precisou de poucas modificações para entrar em linha a tempo de ser testado na prática nos sangrentos, desesperados e ultimamente decisivos  combates de Stalingrado na segunda metade de 1942, onde sua performance superior foi muito apreciada pelos pilotos. Embora fosse mais lento que os Me-109 e FW-190 acima dos 5.000 metros, ele era mais manobrável, resistente e bem armado.

O La-5 original participou ativamente das críticas batalhas do rio Kuban e em Kursk, sendo peça chave para equilibrar a balança da superioridade aérea para o lado dos soviéticos. Mesmo sendo gradualmente substituído por modelos aperfeiçoados do design básico, alguns La-5 ainda estavam na ativa como caças de primeira linha bem dentro do ano de 1944.

O kit: depois de produzir o aclamado kit do Me-109F, a empresa russa Zvezda resolveu investir em novos modelos na escala 1/48, mantendo o alto nível de detalhamento que fez seu Me-109 ser considerado o melhor tipo F em qualquer escala. Assim, foram lançadas quase simultaneamente duas versões do famoso caça russo : o La-5 e La-5FN. Ambas foram escolhas felizes, pois até então os únicos kit do La-5 na escala 1/48 era o da Hobbycraft, produzidos no início dos anos 90 e repleto de erros gritantes (um kit do La-7, bem melhor, já tinha aparecido no mercado pela Eduard no início dos anos 2000).

Escolhi o La-5 de primeira série para montar por duas razões: uma histórica, já que esta versão foi quase que totalmente esquecida por fabricantes e outra porque eu tinha um decalque da Aeromaster com as cores do ás espanhol Francisco Meroño, Também estava louco por uma versão mais antiga do La-5 para usar o esquema de cores do início da guerra e essa foi uma boa oportunidade. Pouco conhecido no ocidente, Meroño foi um piloto republicano da guerra civil espanhola onde, pilotando um Polykarpov I-16 Rata, foi creditado com o abate de 20 aviões italianos e alemães. Retirando-se para a França e depois para a União Soviética após aquele conflito, ele foi voluntário para a VVS (força aérea soviética) quando a Alemanha invadiu a Rússia em 1941. Cumprindo mais de 100 missões de combate a partir de 1942, ele até o final da guerra já havia acrescentado pelo menos outras 20 vitórias ao seu já impressivo escore.  Com o final da “grande guerra patriótica” ele continuou por alguns anos como piloto na VVS antes de passar para a aviação civil na Aeroflot.  Condecorado mais tarde na sua nativa Espanha, Meroño faleceu em Moscou, em 1995.

O kit vem em 151 partes de plástico cinza claro padrão e decalques para duas versões. Há uma breve história do avião em várias línguas, mapas das galhas e referência das cores genéricas, listando apenas tintas Model Master. Desenhos em 3 planos mostram a camuflagem de cada versão possível em preto e branco. As instruções são fáceis de seguir, mas, como é comum na área, a localização de onde algumas partes devem ir é meio vaga.

A construção: A coisa que mais impressiona neste kit, assim como no anterior Me-109, é o interior; A Zvezda fez uma baita pesquisa e saiu com o mais perfeito e completo interior que já vi nesta escala. Toda a estrutura interna do avião, incluindo cockpit e berço do motor está presente ao longo da fuselagem. Realmente impressionante. Uma pena que, uma vez fechada a fuselagem, tal belo e complexo trabalho se perca para sempre (ver fotos mais abaixo).

Eu realmente fiquei um pouco temeroso que a construção do interior desse algum problema de encaixe e/ou alinhamento que depois pudesse interferir negativamente na construção final. Incrivelmente, tudo se encaixou perfeitamente e sem qualquer problema, com alinhamentos impressionantes ao longo de toda a construção, parecendo algum kit da Tamiya. A única coisa que acrescentei foi um jogo de cintos de segurança da Eduard, que ficou bem realista e combinou perfeitamente.

Ao contrário do que a maioria das pesquisas ocidentais mostravam, o interior dos aviões soviéticos na segunda guerra mundial não era de cor cinza médio (fotos assim são todas do pós guerra, o que levou a erros que duraram décadas). Na verdade eles eram na sua grande maioria pintados de um cinza metálico chamado A-14 (muito bem descrito por Eric Pilawski, no seu clássico Soviet Air Force Fighter Colors 1941-45). Felizmente a Akan tem esta cor na sua linha de tintas acrílicas (73040) e foi a que usei aqui.

 Infelizmente, a excelência de engenharia terminou com o interior. Eu já havia lido uma resenha em que um modelista americano havia dito simplesmente que em relação ao exterior “nada se encaixa”. Um exagero, claro, mas logo eu descobri que ele não estava tão longe assim da realidade. Foi preciso lixar muito o motor para ele caber dentro da estrutura da fuselagem, e mesmo assim de forma bem precária. O encaixe dianteiro da asa na fuselagem deu um espaço tão grande que tive que preencher com Super Bonder e depois lixar duramente até literalmente esculpir o ligamento na forma certa. Todas as partes em torno do motor exigiram muita putty, lixa, tempo e paciência. Os slats e demais encaixes na asa também deram sua cota de trabalho inesperado. A coisa toda chegou a tal ponto que deixei o kit de lado por vários meses para me dedicar a outros trabalhos. Até voltar no início deste ano determinado a terminar o que comecei. Mais lixa e putty, paciência…

Uma vez terminado o exterior, as coisas seguiram de forma tranquila. O trem de pouso, por exemplo, já vem de forma que permite que se instale no ângulo correto, o que eu foi uma boa ideia e facilita bastante esta parte da montagem.

Achei as transparências um pouco grossas, mas bem acuradas e fáceis de mascarar.

Decalques: os que vem no kit me pareceram horríveis a princípio, mas no final até que se mostraram melhores do que eu esperava: usei no painel de instrumentos para testar e eles reagiram bem com o amaciante básico que uso (Mark Softer). Alguns stencils também foram aproveitados e, apesar de uma tendência ao silvering, ficaram bem. Já os decalques da Aeromaster mostraram a qualidade de sempre, embora também tenham dado um leve silvering na inscrição junto à estrela da fuselagem. Talvez por conta dos anos que ficou guardado. Estranhamente as estrelas da parte inferior das asas estavam erradas para a época e por isso usei algumas que sobraram de uma folha do LaGG-3 da mesma Aeromaster.

Pintura: para a camuflagem eu utilizei apenas as tintas russas da Akan desta vez. Tendo novamente o livro de Pilawski como guia, usei as cores de 1942: verde AMT-4 (73001) e preto AMT- 6 (73043)para a camuflagem superiora e azul AMT-7 (73002) para a parte de baixo do avião. De acordo com as instruções da Aeromaster o avião de Meroño seria todo pintado de verde, mas não existem fotos ou documentos que comprovem isso. Concluí que isso pode ter sido uma informação errada já que a folha da Aeromaster datava de mais de 15 anos atrás e que era melhor pintar o La-5 com a camuflagem padrão, que parece ser a mais provável.

Foi usada uma combinação de masking tape da Tamyia (retas) e Parafilm M (curvas) para fazer as máscaras e o resultado foi muito bom, precisando apenas de uns poucos e pequenos ajustes depois de retiradas. Algumas camadas de Future Floor diluídas com o thinner da Valejo foram aplicadas com aerógrafo para dar a cobertura final e o resultado ficou excelente, como sempre.

Para as partes metálicas (motor, trem de pouso, etc.) e pneus usei tintas Valejo.

Conclusão: o kit da Zvezda é até o momento o melhor e mais acurado modelo do La-5 em qualquer escala. Seu nível de detalhamento é impressionante, especialmente para um avião tão pequeno. Eu espero sinceramente que os péssimos encaixes que eu encontrei em algumas partes sejam uma exceção à regra, já que nem todas resenhas que eu vi mencionam os mesmos problemas que tive. Talvez eu tenha errado em algum ponto e não tenha notado. Qualquer que seja a razão eu achei que o resultado final compensou todo o esforço com sobras. Finalmente eu consegui montar um La-5 com toda a acuidade que este histórico avião merecia.

**************************************

É isso aí, mais uma vez parabéns ao Tarcísio.  Se você quiser também enviar sua matéria para o  Artigo do Leitor do Spruemaster, basta seguir os passos mostrados aqui neste link.

Plastiabraço e até a próxima!


Written by 

Editor do Blog SprueMaster

Posts Relacionados

4 Thoughts to “Artigo do leitor: Zvezda La-5 1/48”

  1. Guacyr Soares

    Duca, será que tem na MPM?Amanhã chego a Praga!

    1. Deve ter sim!

      Boa estadia e não deixe de tomar um Staropramenn por mim!

      Na zdraví !

  2. Tarcísio B. Moura

    Oi, Marcus. Muito obrigado. Realmente, eu acho muito legal que certos aviões estejam recebendo melhores representações em kit do que tinham antes, especialmente pela sua importância histórica. O La-5 foi o primeiro caça usado pelo maior ás aliado, Ivan Kozhedub (62 vitórias), e era ridículo não ter uma boa representação dele até pouco tempo atrás. Felizmente isso foi corrigido.

    Grande abraço

  3. Marcos Surian Thomaz

    Tarcísio,
    Ficou ótima sua montagem, e o detalhamento do interior é impressionante.
    Que bonito este avião…
    Parabéns.

Deixe seu comentário

Obrigado!! Seu comentário poderá ser aprovado antes da publicação.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.